Dynamic Buffer Management: entenda como funciona o sistema de reposição de produtos

Toda empresa que se preze em acertar o preenchimento de profundos no estoque, reduzindo exagero ou escassez, deve saber o que significa Dynamic Buffer Management (DBM).

Essa é uma metodologia que contribui para que as empresas façam o reabastecimento de pontos de venda de acordo com a necessidade da clientela. Desse modo, evita a ruptura e as constantes variações de demandas do consumidor.

Ficou interessado em saber como funciona o Dynamic Buffer Management? Explicamos tudo para você. Boa leitura!

O que é Dynamic Buffer Management?

Dynamic Buffer Management, ou Gerenciamento Dinâmico de Pulmões, é um método de gestão de estoque que visa acompanhar e ajustar a quantidade conforme o real consumo.

O objetivo é diminuir ou eliminar as previsões baseadas em estatísticas e fixar no reabastecimento de acordo com os desejos do consumidor.

Vale frisar que até pouco tempo a reposição dos fornecedores aos estabelecimentos era feita de forma empírica, ou seja, baseada pela experiência e observação.

Entretanto, a integração entre a indústria e o varejo precisou automatizar o sistema com base no consumo real, assim, impedindo dois conflitos: a ausência e o excesso de estoque.

Podemos dizer que nesse método aplica-se a gestão de risco, isto é, usam-se mecanismos que afastam fatores negativos, dando ênfase ao que realmente possa ser aproveitado. Como consequência:

  • protege de ameaças;
  • suaviza o impacto na organização;
  • controla danos;
  • acelera a recuperação de eventuais prejuízos.

Como funciona o DBM?

O Dynamic Buffer Management é um sistema que garante adequado planejamento de compras da empresa, facilitando a negociação com os fornecedores, uma vez que todo o processo é feito por uma plataforma.

Leva-se em conta três tipos de estoque: alto, ideal e crítico.

Estoque alto

Representado pela cor verde, é quando se necessita da recolocação de estoque em menor nível. Em caso de que o sistema perceba que dado produto permanece nesse nível durante dois ciclos, as faixas podem ser reajustadas.

Estoque ideal

Representado pela cor amarela, o estoque ideal é aquele que atende a demanda do consumidor, o que significa que não precisa fazer ajuste de quantidade de produtos.

Estoque crítico

Indicado pela cor vermelha, representa risco abrupto de falta de produtos, o que pode gerar perda de vendas.

Vale frisar que, ao entrar nessa faixa, você receberá um sinal de que seu buffer (pulmão) está “comprometido”. Nesse caso, recomenda-se um aumento de nível de 33%.

Dynamic Buffer Management: quais são as vantagens?

Como citamos, o DBM supera o modelo tradicional pela flexibilidade de uso e de fácil compreensão. Nesse sentido, o sistema apresenta diversas vantagens, entre elas:

  • menor exposição da empresa a riscos de ruptura e excesso de produtos;
  • resposta ágil das mudanças do mercado;
  • mais eficiência na reposição dos itens

Em suma, o sucesso do DBM está interligado a uma boa gestão de fornecedores. Empresas com dificuldades de balanceamento, isto é, aquelas que possuem produtos desnecessários e, por outro lado, não têm os de real necessidade, é uma prática muito comum. Logo, o DBM modifica a percepção negativa desse segmento.

Como usar o DBM no varejo?

Sem dúvida, o Dynamic Buffer Management tem respostas mais eficientes sobre suas mercadorias, como fortalecer a relação cliente-fornecedor.

Essa agilidade do sistema interfere na lucratividade do negócio, uma vez que a rentabilidade depende de resposta concreta, seja para aumentar ou diminuir o estoque.

Isso significa que, quanto mais próximo à realidade for a reposição de materiais, menos serão os problemas financeiros.

Vale frisar que no varejo dois fatores são determinantes para qualquer SKU (Stock Keeping Unit, em português, Unidade de Manutenção de Estoque), código para auxiliar a gestão de estoque. São eles:

  • alterações de demanda;
  • oferta de sortimento ou de mix de produtos

Tenha em mente que o DBM não funciona por meio de estatísticas complexas, tudo é feito por monitoramento do consumo real e do status do buffer (pulmão). Logo, para que a gestão de suprimentos seja mais eficiente, é fundamental adotar alguns procedimentos:

  • O DBM substitui outros métodos de gestão de nível máximo de estoque;
  • São estabelecidos regras de reabastecimento diários ou com regularidade;
  • Não se aplica pontos de reposição, pois o tamanho do pedido deixa de ser orientado pela quantidade mínima;
  • É fundamental haver o acompanhamento do comportamento dos buffers para saber o nível de estoque e suas reais consequências.

Diante disso, percebeu como o Dynamic Buffer Management (DBM) pode ser um bom caminho para relações mais sólidas? 

Em outras palavras, o consumidor terá mais precisão de encontrar aquilo que deseja, reduzindo os desperdícios de excesso de estoque. Por outro lado, fortalece a comunicação entre o cliente e o fornecedor, tornando-se transparente e ágil.Este artigo foi escrito pela Linkana, empresa referência na análise pública automatizada de Compliance e governança corporativa no processo de homologação de fornecedores.